02 setembro, 2007

Corrida Rio Maior (02/09/2007)

Corrida de toiros pela ocasião da Feira das Cebolas em Rio Maior.
Em praça tivemos os cavaleiros Manuel Jorge de Oliveira, João Moura, Marco José e o amador Paulo d'Azambuja. As pegas estiveram a cargo dos grupos de V.F. Xira, Azambuja e Aposento da Moita.
Foi uma corrida sem triunfos nem triunfadores, de qualquer forma agradável.
Face ao atraso de cerca de uma hora sentido no inicio da corrida , e à falta de iluminação o último toiro que se destinava ao cavaleiro Marco José não saiu à praça.

Enfim... mais uma vez quem paga, é quem é menos respeitado!
...
Texto e Fotos: Pedro Cardoso

8 comentários:

TERTULIA T.BENEDITA disse...

SE O CAVALEIRO JOÃO MOURA NÃO TRIUNFOU NO SEU 1ºTOIRO E MARCO JOSE NO ÚNICO QUE LIDOU, ENTÃO NÃO SEI O QUE É TRIUNFAR.

Pedro M. Cardoso disse...

Na minha opinião, há boas lides, mas não há lides triunfais!!!
Aceito a opinião da tertúlia T. Benedita, de que a corrida tem dois triunfadores, assim como a de qualquer outra pessoa, mas a meu ver triunfar é mais do que isso!!!
Penso que o maior triunfo vai para o publico, face à falta de consideração de que foi vitima, não só com o atraso inicial, mas também com o facto de ter pago bilhete para ver 7 lides e só ter visto 6. Mesmo assim manteve uma postura pacata e ordeira!

Anónimo disse...

Nem 8 nem 80... João Moura toureou bem o seu 1º sim sr, o seu a seu dono. Marco José esteve também em muito bom plano. No entanto há a salientar alguns pormenores: nenhum cavaleiro pode sair como triunfador de uma corrida onde lida montando um cavalo com tantas martingalas (Freio tipo cachimbo, serreta, pensador, cabos do freio à serreta, gamarra fixa e rédeas à serreta) como o Maestro de Monforte se apresentou em praça; Nenhum cavaleiro conseguiria, por muito bom que fosse, triunfar numa arena com um piso daqueles (terra e pedras a levantar junto à porta das cavalariças e 1/2mt de areia noutras zonas). Desta vez nota muito negativa para Arnaldo dos Santos e seu staff pela péssima organização que levou a cabo. Erros a não repetir, esperemos...

Anónimo disse...

Já agora 1 outro comentário, referente aos "toiros" em praça. Nenhum deles tinha grande apresentação, ainda assim aceitáveis pois tratava-se de uma praça desmontável, bastante velha e que deveria desde logo ser interdita, crendo mesmo que nenhuma entidade terá vestoriado e concedido licença para realização do espectáculo naquelas condições, pois a praça foi terminada de montar já depois de acabadas as cortesias. Dos 6 toirosque saíram à praça 3 deles estavam visivelmente limitados fisicamente, não se percebendo bem como médico veterinário e director de corrida permitiram que fossem lidados. Demasiados incidentes lamentáveis para uma só corrida, ainda assim agradável no que a prestação dos toureiros diz respeito, naturalmente.

Anónimo disse...

De facto não pode considerar-se João Moura como grande triunfador da fraca corrida de rio maior, sobretudo devido à apresentação dos cavalos em praça, todos com os freios típicos da casa moura ("cachimbos", e dos grandes, bem como a apresentação de pelo menos três cavalos, TRÊS, com rédeas à serreta... Moura deixa de facto muito a desejar, em termos d equitação, claro está. Quanto à opinião sobre a prestação do cavaleiro Marco José, concordo com as opiniões já expressas, pois conseguiu uma boa actuação, muito correcto, no único boi que lidou, prejudicado pela falta de pagamento atempado à empresa encarregue da montagem da infra-estrutura, lamentável. No entanto no essencial concordo com a opinião do Blogger: quem pagou os seus ingressos foi defraudado.

unha negr@ disse...

A Rio Maior fui eu no Domingo atrás da ilusão e picado pelo gusanilho dos Touros.
Foi a terceira Corrida de Touros nesta terra. Esta de Domingo por ocasião da Feira da Cebola. A chorar ficámos todos os que compramos o bilhete, pelo engano e falta de respeito, por parte da empresa .
A corrida começou quase uma hora depois do anunciado, as cinco e meia da tarde. Resultado o ultimo touro não foi lidado por ser de noite.
Do que sim mais gostei foi dos novilhos, encastados. Com bravura e darem ao ganadeiro confiança no encaste Atanasio , acredito que tenha no campo bem melhor.
Da parte do Empresario ou de alguem da terra nem um pio, houve mais nobreza da parte do gado.
A banda não toca para dar inicio á corrida, o diretor mandalhe segundo aviso. O Maestro aponta a porta dos cavaleiros, não se conseguia abrir, mais seca em cima de uma hora de espera.
Houvi dizer que foi por falta de dinheiro ou por não se ter pago ao dono da praça ao Ganadero á musica ou eu que sei lá.
Finda a corrida os Homens do transporte dos touros, os moços de cavalos e a rapaziada da praça gemia pelos mentideros em surdina o Homem não tem dinheiro para pagar
Não há dinheiro para ninguém.
O que ouvi foi a forcadagem miar não ter dinheiro para o jantar .
Hó certo só eu e mais os meus colegas é que pagamos adiantado. E ficou jurado por mim e por meus colegas, nunca mais ver uma corrida com um empresário chamado
Arnaldo não sei quê, um que é das Caldas.
Unh@ negra

Anónimo disse...

marco jose esteve bem nos compridos mas nos curtos partia com velocidade a mais e o toirito nem o via. Rematava bem pq o cavalo se metia bem para dentro. Triunfos só do Moura no 1º.

Anónimo disse...

marco jose esteve bem nos compridos mas nos curtos partia com velocidade a mais e o toirito nem o via. Rematava bem pq o cavalo se metia bem para dentro. Triunfos só do Moura no 1º.